Imprimir

A fibrilação atrial é a arritmia mais frequente na pratica clínica. Podendo ser controlada pelo uso de medicações ou, em casos específicos, por meio de realização de procedimentos invasivos que incluem, atualmente, duas técnicas principais, sendo que estas objetivam não somente o controle das crises mas a cura dos pacientes. Uma delas, mais conhecida e realizada há cerca de 12 anos, é o mapeamento eletroanatômico (CARTO) com aplicação de energia (radiofrequência), em torno do orifício das veias pulmonares esquerdas. O outro método mais recente, sem a necessidade de anestesia geral, consiste em colocar um cateter multipolar (PVAC) que realiza tanto o mapeamento elétrico quanto a aplicação de radiofrequência. Os dois métodos são factíveis e hoje, em Brasília, apenas a equipe de Eletrofisiologia do ICTCor realiza pioneiramente o método PVAC.