(61) 3035 9900 ouvidoria@ictcor.com.br

Arritmia cardíaca é uma alteração do ritmo cardíaco. Existem vários exames complementares para uma adequada investigação desta alteração, desde métodos ditos não invasivos até métodos invasivos. Dentre estes últimos, existe o estudo eletrofisiológico.

Com o objetivo de realizar diagnóstico e proporcionar uma alternativa terapêutica, o estudo segue os preceitos de um procedimento de cateterismo, porém, sem uso de contraste.

Ao chegar à hemodinâmica, o paciente é recebido pela equipe de enfermagem, que irá prepará-lo e conectá-lo a vários monitores.

Através de punções de veias e eventualmente de artérias nas regiões inguinais (virilha), são introduzidos eletrodos que chegam às cavidades cardíacas guiados por radioscopia (Raios X).

A duração do procedimento é variável, aproximadamente uma hora para estudo diagnóstico e 3 horas para terapêutico (aplicação de energia) sem contar todo o tempo de preparo pré-procedimento e de retirada do paciente da sala, dependendo de cada caso.

Ao término dos procedimentos, será feita compressão no local da punção e será aplicado um curativo compressivo, sem a necessidade de pontos. Por fim, o paciente será encaminhado a um repouso, ficando sob os cuidados de técnicos de enfermagem, até posterior internação em um leito hospitalar, no qual permanecerá até o dia seguinte, para observação do local de punção e para os devidos cuidados pós-procedimento.

A arteriografia (ou angiografia) é um método de diagnóstico radiológico invasivo que visualiza a parede das artérias e estuda as doenças arteriais. Neste exame injeta-se contraste rádio-opaco no interior das artérias. Se houver uma obstrução (entupimento) completa de uma artéria, o contraste não passa além dela e, assim, não permite observar a extensão da lesão, nem avaliar a parede da parte da artéria que se segue à obstrução. Quando realizado de modo eletivo, a arteriografia pode ser usada para ajudar no diagnóstico e na avaliação de más formações arteriais, aneurismas ou aterosclerose em diversos territórios orgânicos, como a aorta e artérias periféricas. Em caráter de urgência/emergência, a arteriografia é indicada para diagnosticar doenças agudas que podem acometer as artérias, como dissecção aguda, alguns acidentes vasculares cerebrais ou embolias ou tromboses.

A Cirurgia Endovascular é um procedimento cirúrgico minimamente invasivo e usado para o tratamento das doenças dos vasos sanguíneos, arteriais ou venosos. O tratamento endovascular alcança os vasos por punções e através deste pequeno furo na pele, se posicionam cateteres, fios guias, balões para dilatação, stents (dispositivos metálicos) que são posicionados dentro dos vasos para os manterem com o interior aberto. Desta forma, por se tratar um vaso no abdome ou no tórax, realiza-se a punção com uma agulha de um vaso à distância, usualmente na virilha ou no braço. Todo este trajeto é percorrido dentro dos vasos, com a ajuda de aparelhos de raio-x. Através destas imagens nos monitores, o médico posiciona os diferentes dispositivos no local a ser tratado. A principal vantagem da cirurgia endovascular é o menor trauma cirúrgico, devido serem desnecessárias as grandes incisões. A maioria dos procedimento são feitos sob anestesia local. Tudo isto favorece um retorno mais rápido às atividades habituais, de lazer e de trabalho. Em alguns casos, os pacientes podem voltar para casa e retomar suas atividades normais dentro de 4 a 6 semanas.

A fibrilação atrial é a arritmia mais frequente na pratica clínica. Podendo ser controlada pelo uso de medicações ou, em casos específicos, por meio de realização de procedimentos invasivos que incluem, atualmente, duas técnicas principais, sendo que estas objetivam não somente o controle das crises mas a cura dos pacientes. Uma delas, mais conhecida e realizada há cerca de 12 anos, é o mapeamento eletroanatômico (CARTO) com aplicação de energia (radiofrequência), em torno do orifício das veias pulmonares esquerdas. O outro método mais recente, sem a necessidade de anestesia geral, consiste em colocar um cateter multipolar (PVAC) que realiza tanto o mapeamento elétrico quanto a aplicação de radiofrequência. Os dois métodos são factíveis e hoje, em Brasília, apenas a equipe de Eletrofisiologia do ICTCor realiza pioneiramente o método PVAC.

Horário de Funcionamento:

Exames e Procedimentos Eletivos

De Segunda a Sexta-Feira de 8h00 às 18h00

Hospital Anchieta - Centro de Excelência 4º andar

(61) 3035 9900 / (61) 3035 9901

Emergência e Urgência: 24h

Em parceria com a CardioAnchieta. (Pronto Socorro do Hospital Anchieta)

(61) 3353 9000

Ambulatório: Consultas e Pareceres

De Segunda a Sexta-Feira de 8h00 às 18h00

Hospital Anchieta - Centro de Excelência 8º andar
Torre B - Sala 816
Clínica Cárddio - Guichês 6 e 7

(61) 3035 9929 / (61) 3035 9930

Contato

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.