Estimulação Intracraniana: novo método de tratamento da obesidade

Imprimir

Estimulação Intracraniana: novo método de tratamento da obesidade.
(Medscape: quarta-feira, 13 de julho de 2016)

NOVA ORLEANS — Um estudo de nove semanas com 16 pacientes obesos que receberam estimulação magnética transcraniana repetitiva (EMTR) ou tratamento simulado sugere que o procedimento pode ajudar estes pacientes a reduzirem a compulsão alimentar e perder peso – mas esses são dados iniciais, e os achados precisam ser replicados em estudos maiores e mais longos para confirmar segurança e eficácia, alertam os pesquisadores.

O Dr. Livio Luzi, professor de fisiologia na University of Milan e do San Raffaele Scientific Instituteem Milão, Itália, apresentou seus achados durante uma sessão sobre metodologias para intervenção na perda de peso em 12 de junho nas Sessões Científicas de 2016 da American Diabetes Association (ADA).

"A idéia surgiu quando ouvi uma apresentação na Europa em que psiquiatras usavam essa técnica para tratar transtornos de adição", disse ele ao Medscape. O procedimento foi aprovado há cerca de sete anos pelo Food and Drug Administration dos EUA para tratar depressão maior. Além disso, Dr. Luzi acrescentou, reguladores europeus aprovaram recentemente a estimulação magnética transcraniana repetitiva para interrupção do tabagismo, e um estudo recente (Biol Psychiatry. 2013;73: 714-720) mostrou esse benefício.

A estimulação magnética transcraniana repetitiva trabalha estimulando os centros de recompensa do cérebro. Como "a obesidade pode ser considerada um vício em comida, a via de recompensa é a mesma" de outros vícios, o Dr. Luzi especulou que o procedimento poderia melhorar a compulsão alimentar, e foi o que aconteceu nesse estudo de nove semanas. "Agora estou esperando pelos resultados em seis meses do estudo em andamento, disse ele.